terça-feira, 8 de agosto de 2017

POEMA DRAMÁTICO

Dei por mim indo por uma rua encurralada
num muro branco com portais encimados
por brasões, armas e arabescos, sem janelas,
sem sinais de gente.

Subi para ver o interior que era um quintal
que parecia cheio de túmulos com sepulturas cinzentas
mas depois percebi que eram cadeiras de mármore
em forma de faunos esfinges e ninfas
num jardim de laranjeiras loureiros e oliveiras.

Entrei por uma nesga
dei com uma casa de porta aberta
e logo vi uma linda moça deitada
enrolada em folhos brancos de brancos lençóis
que me sorriu persistentemente.

Mas não era ela que eu procurava.

O que eu procurava essa mulher que nunca conheci
e que vira descer até junto à praia
por um carreiro estreito,
como o beco duma porta, para sempre fechada.

Acordei.

A mulher já lá não estava,
ou nunca existira?

Jamais o saberei.

Como jamais saberei quem era aquela menina formosa
entre os folhos duma cama
que me sorria persistentemente
deitada entre ninfas e faunos
num jardim de loureiros laranjeiras e oliveiras.


quarta-feira, 2 de agosto de 2017

O POETA

O poeta só diz o que ninguém sabe
só espera o que nunca pode dar-se
o milagre que não virá a repetir-se
o que nunca tampouco tem sentido
      
o poeta conhece as cores pelo cheiro
as formas pelo tempo
o grito pelo tacto.

o poeta escapa entre os dedos
é um peixe paleocénico
o poeta chora em língua estrangeira

o poeta só não acredita no que crê
é um sábio geómetra doutras dimensões
de mundos paralelos que são planos
oblíquos como espinhos no interior da casa
só sabe da eterna ressurreição da palavra
na transmutação lunar dos dias                                                      
feita eco de fragrâncias mágicas
só crê na fraterna limpidez das seivas
na concreta viuvez dum líquen

o poeta é um bicho instigador
demolidor

Quando o  poeta sai à rua
come pedras e pó
alimenta-se do ar
corre a cidade com os lábios
atrasa o barco dos horários
só embarca em navios com árvores por dentro
e pássaros nos remos
direito ao grande mar da obscuridade
e da ciência abstracta dum beijo.
      
O poeta não tem medo da chuva
nem de tremores de terra
nem do ágil vento sobre a cabeça
o poeta sai descalço
avança destemido por entre as pedras
porque das pedras reconhece os cristais
e a palha
o poeta respira pelos poros
dos ouvidos
e é com os ouvidos que compõe
a música matinal perpétua
que traz nos olhos.